domingo, 3 de agosto de 2014

Aumento da temperatura em 2014

2014 foi o ano mais quente desde quando começaram as medições globais

A NASA DETECTA ALGO no LITORAL BRASILEIRO em JANEIRO de 2014
No dia 19 de Janeiro de 2014, o instrumento Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer, ou MODIS, a bordo do satélite Aqua da NASA capturou essa imagem de um florescimento de organismos microscópicos na costa sudeste do Brasil. Note como as águas do Atlântico Sul estão escurecidas em uma faixa que se estende por 800 km de extensão de sul para nordeste pela plataforma continental. Na imagem, os fios brancos sobre o mar e sobre a parte terrestre são nuvens.
Biólogos trabalhando na área identificaram o florescimento como sendo da Myrionecta rubra (anteriormente conhecida como Mesodinium rubrum), um protista ciliado que se move rapidamente. Apesar de não ser um verdadeiro fitoplâncton, ele é um autotrófico, ou seja, que gera a sua própria comida. A Myrionecta se energiza pela fotossíntese, mas também pode se energizar ingerindo cloroplastos (plastídeos portadores de clorofila) de outras algas. Além de ameaçar as algas microscópicas que consome, a Myrionecta rubra não é conhecida por ser tóxica para outras vidas marinhas e para o ser humano. Vista de perto, como no vídeo acima, o florescimento possui uma cor vermelha profunda. Mas esse florescimento aparece quase preto em imagens de satélite devido a como o oceano absorve e espalha a luz do Sol. O floresciemento da Myrionecta rubra tende a flutuar um metro ou dois abaixo da superfície da água, assim, fótons de luz vermelha que estão sendo refletidos provavelmente estão sendo absorvidos ou espalhados em seu caminho de volta para a superfície. Perto da costa – olhe perto do Rio de Janeiro e de São Paulo – a água tem uma tonalidade esverdeada, talvez seja um sinal de um floresciemtno diferente de um fitoplâncton ou de sedimentos carregados pelas recentes chuvas fortes que atingiram a região.

No OUTONO de 2014 podemos ter alguns eventos de EXTREMOS CLIMÁTICOS
No começo do mês de fevereiro postei pelo facebook um comentário sobre o crescimento anormal de micro-organismos no mar da região sudeste e sul captado por um satélite da NASA pelo o instrumento Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer, ou MODIS, a bordo do satélite Aqua , onde citei que evidencia claramente o aquecimento acentuado do nosso oceano atlântico e posto novamente um alerta: "Estou atento porque esse aquecimento no oceano, pois é condição para formação de áreas ciclonais / baixa pressão. Não se esqueçam que o mês que janeiro último foi o mais quente e o mais seco que tivermos até agora. São Paulo nesta última semana teve a umidade relativa muito baixa, abaixo de 30 % e em algumas regiões ficou abaixo de 20 %....essa secura não é do verão e sim do nosso inverno (jun/jul/ago)...... espero que realmente esteja errado, mas no nosso próximo outono (a partir de março) podemos ter extremos climáticos associados a regimes de ventos (vendavais/tornados????) e de ciclones (formação de "furacão"no oceano) que pode atingir a costa da região sul e até o sudeste" . Janeiro de 2014 foi o mês mais quente em SP nos últimos 71 anos, ou seja, desde quando começaram as medições meteorológicas....e tem gente que acha que não existe nenhum aquecimento global!!!!!!!!Abaixo, o mapa de temperaturas no início do mês evidenciando  os recordes de temperaturas altas na região centro-sul do país.